Métodos Diagnósticos – pHmetria Esofágica

A Phmetria esofágica tem como objetivo ajudar o seu médico na avaliação da Doença do Refluxo Gastroesofágico, quantificando-a, promovendo um detalhamento do horário em que ocorreram os episódios de refluxo ácido, estabelecendo os níveis de refluxo patológico ou fisiológico e fazendo a correlação de sintomas.

Deve ser realizada após a localização manométrica dos esfíncteres. É empregada no pré-operatório da cirurgia anti-refluxo, naqueles casos em que a endoscopia digestiva alta não evidenciou esofagite erosiva, nos casos em que houve falta de resposta ao emprego de medicação como Omeprazol, na quantificação do refluxo. O médico usa uma sonda flexível, que apresenta sensores de pH distantes 15 ou 20cm, sendo as oscilações do pH durante o dia traduzidas graficamente.

O que acontece durante a Phmetria Esofágica?

Inicialmente, você deverá estar de jejum (de pelo menos 6 horas). Não se utilizam sedativos como na endoscopia digestiva alta, pois estes podem interferir negativamente no exame. A sonda é introduzida pela narina previamente anestesiada até o interior do estômago, com você permanecendo sentado na maca. Em nenhum momento essa sonda vai ocasionar obstrução das vias aéreas, causando falta de ar.

Há, no entanto, a sensação de corpo estranho na garganta (que constitui o maior desconforto do exame). A sonda apropriada, então, é posicionada 5cm acima do esfíncter esofágico inferior e, posteriormente, fixada no seu nariz com micropore. O sensor externo é fixado no tórax (esse é um dos motivos pelos quais orientamos não tomar banho enquanto estiver com o aparelho, devido dos danos irreparáveis que pode ocasionar).

O médico inicia o exame. Você receberá instruções por escrito da enfermeira e também um diário no qual registrará os horários das refeições, os momentos que deitar e levantar e os sintomas relacionados ao refluxo que motivaram o exame. Ficará com a sonda por 24 horas, retirando-a no dia seguinte. A tolerância ao exame é muito individual, observando-se que quanto mais relaxado melhor. Poderá fazer uso de analgésicos como Dipirona ou Paracetamol em caso de desconforto maior ou dor.

A sua colaboração é fundamental para o sucesso da pHmetria e da impedanciometria, devendo manter suas atividades cotidianas, inclusive o trabalho.

INSTITUTO PAULISTA DE CIRURGIA

INSTITUTO PAULISTA DE CIRURGIA

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
E-mail